DIRETO E RETO

Chefão da Netflix manda a real: ‘Nunca cancelamos uma série bem-sucedida’

Executivo dá recado sobre o que uma atração precisa fazer para permanecer na plataforma
DIVULGAÇÃO/NETFLIX
Ella Balinska em Resident Evil, série da Netflix cancelada após uma temporada
Ella Balinska em Resident Evil, série da Netflix cancelada após uma temporada

O volume de séries canceladas pela Netflix, principalmente após uma única temporada, é tão grande que a própria empresa não nega mais isso. Antes, o discurso era de que a proporção de renovação da plataforma sempre girou em torno da média da concorrência; o que é verdade. Agora, o chefão da gigante do streaming, Ted Sarandos, um dos CEOs (diretores-executivos), adotou uma linha mais agressiva e direta ao comentar os cancelamentos de atrações.

Nunca cancelamos uma série bem-sucedida”, afirmou o executivo sem fazer média, em entrevista ao site Bloomberg. Ele foi questionado sobre como está a atual relação com a comunidade criativa, em vista da evolução dos negócios na Netflix. Afinal, não é apenas o público que chia quando uma atração é cancelada abruptamente. Sarandos, ao menos, foi muito sincero ao comentar esse cenário.

“Muitas dessas séries [canceladas] foram realizadas com boas intenções, mas atingiram um público muito pequeno”, comentou. “A chave do negócio é: ser capaz de falar com um público pequeno usando um orçamento pequeno, atingir um público grande aplicando um orçamento grande. Quem fizer isso pode [permanecer no ar] para sempre.”

As reais razões que levam a Netflix a cancelar uma série nunca serão explicitamente expostas. Mas é possível captar algumas dicas aqui e ali de frases ditas por executivos da empresa, como essa de Sarandos.

Tem-se o ranking semanal top 10 como um fator capital da fórmula do cancelamento, assim como o custo de produção. O que o CEO quis dizer é que não tem problema uma série conseguir uma audiência baixa, desde que a despesa seja pequena. Agora, se a atração custou muito para fazer e flopa no ibope, aí não resta outra alternativa a não ser o término. 

É um pensamento puramente de negócios, algo que o público tem de entender. Certo ou não, esse é o modelo da Netflix. Não se pensa no aspecto criativo, de ao menos dar uma chance de encerrar uma série com um final apropriado, por exemplo. O que importa é o balanço financeiro, nada mais.

O ano de 2023 nem começou direito e a Netflix lida com duas questões acerca desses cancelamentos repentinos. A primeira é com 1899, drama alemão programado para ter três temporadas, mas não passou da primeira. E a segunda envolve Warrior Nun, cujos fãs fazem campanhas intensas clamando pelo resgate, com direito à outdoor no quintal da sede corporativa da Netflix, em Los Angeles.


Acompanhe o Diário de Séries no Google Notícias.

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!