RETROSPECTIVA 2022

Em ano de crise, Netflix renova mais séries do que cancela

Nunca a plataforma passou tanto sufoco, perdendo (muito) dinheiro e assinantes
REPRODUÇÃO/NETFLIX
Millie Bobby Brown na 4ª temporada de Stranger Things
Millie Bobby Brown na 4ª temporada de Stranger Things

O ano de 2022 foi o pior da história da Netflix, no quesito saúde financeira. A fuga em massa de assinantes no primeiro semestre fez o valor de mercado da empresa despencar, terremoto que gerou atitudes drásticas, como cortar gastos na raiz. Contudo, ao contrário da percepção superficial, a gigante do streaming não é essa máquina toda de moer séries. Nos últimos 12 meses, ela renovou mais atrações do que cancelou, aponta levantamento do Diário de Séries.

De janeiro até agora, a Netflix renovou 28 séries e emplacou sucessos internacionais históricos, como Wandinha, Stranger Things e Dahmer: Um Canibal Americano. No outro lado da balança, no mesmo período, estão 21 séries canceladas ou que receberam aviso de última temporada, além de fracassos como Blockbuster e outras.

Aqui vale uma análise equilibrada, sem depender do ponto de vista dos extremos, principalmente só vendo pelo lado menos favorecido. Como todo cancelamento de série machuca os fãs, e por ter ocorrido vários de fato, mais de uma atração por mês, a revolta vem à tona e até teorias da conspiração são formadas, como se a Netflix tivesse algo contra algum tipo específico de público ou conteúdo.

Em outras circunstâncias, o volume de cancelamentos poderia ser menor, caso o boletim das finanças fosse mais favorável. Seria um cenário no qual as atrações líderes poderiam bancar aquelas de menor sucesso, com o lucro de uma suprindo o prejuízo da outra. 

Mas não é o caso. Comercialmente falando, a Netflix gostaria de continuar gravações de séries tipo Warrior Nun, com base sólida de fãs. Porém, a conta na ponta do lápis tem que fechar. É preciso que a produção seja minimamente rentável. A audiência em si só vai sobrepor o custo nessa equação quando o recém-lançado plano com anúncios tiver um alcance relevante.

Fracassos e hits da Netflix

De todos os 21 cancelamentos ou términos anunciados em 2022, pouco são questionados. Não tem como, nem Netflix nem HBO, só lançar sucessos. Há o risco de apostar em uma grande série que no papel está maravilhosa, porém peca ao chegar na tela. Resident Evil é o maior exemplo disso.

Teve séries fofas e interessantes que foram canceladas, como O Clube das Babás e Arquivo 81? Sim. Por outro lado, a Netflix se livrou de muitas bombas, do naipe de Space Force e Pretty Smart. E três produções brasileiras estão na conta: Maldivas, Nada Suspeitos e Só Se For Por Amor.

No meio disso tudo, a gigante do streaming emplacou hit após hit. A lista é grande, contando com Bridgerton, Inventando Anna, Uma Advogada Extraordinária, All of Us Are Dead, Bem-Vindos à Vizinhança… além das já citadas Wandinha e Stranger Things.

As renovações das 28 séries anunciadas neste ano também são inquestionáveis. Nesse grupo estão Sandman, Eu Nunca…, Vikings: Valhalla, Heartstopper, A Imperatriz, e mais. 

Os casos de Dahmer e Bem-Vindos à Vizinhança são emblemáticos. Concebidas como minisséries (uma única leva de episódios com começo, meio e fim), ambas foram transformadas em séries com múltiplas temporadas por causa da repercussão inconteste.

A lógica é simples. Fez sucesso? Toma mais temporadas. Flopou ou deu prejuízo? Vai ser cancelada.


Acompanhe o Diário de Séries no Google Notícias.

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!