OPINIÃO

Na era da burrice coletiva, o óbvio de The Crown precisa ser destacado

Há tanta necessidade assim de avisar que a série sobre a monarquia britânica é uma ficção?
DIVULGAÇÃO/NETFLIX
A atriz Imelda Staunton na 5ª temporada de The Crown
A atriz Imelda Staunton na 5ª temporada de The Crown

Em tempos nos quais se discute se a Terra é plana ou não, causa pouco espanto o clamor sobre a necessidade de a Netflix afirmar, em letras garrafais, que The Crown é uma ficção e não o retrato da realidade. É a necessidade de deixar explícito as obviedades, sintoma da burrice coletiva que assola a sociedade mundial em uma era que a informação equilibrada e a razão pura deveriam prevalecer contra a insensatez.

Vejam que esse assunto de The Crown é discutido até no meio político do Reino Unido, com ministros e pessoas do governo cobrando a Netflix. O que querem é um recado antes dos episódios, informando claramente que aquilo se trata de uma obra adaptada da realidade. 

“Sem isso”, disse Oliver Dowden, secretário da cultura do Reino Unido, “temo que a geração de telespectadores que não vivenciaram os eventos encenados possam confundir a ficção com os fatos.”

Tal posicionamento, no mínimo, duvida da inteligência das pessoas no geral. Ou, pegando pelo ponto de vista do mundo invertido, talvez a maioria do público esteja tão dopada por fake news e realidades inventadas que é preciso mesmo apontar que uma série de ficção seja mesmo… ficção.

Alguém com a mente sã sabe que The Crown não é um documentário. E mesmo se fosse um documentário, não quer dizer que seria necessariamente uma reprodução fidedigna dos eventos, pois há o viés do diretor, do produtor, e por aí vai.

Acertadamente, a Netflix acredita no discernimento do público e, ao menos até a quarta temporada, não mostrou qualquer aviso de que a série vencedora do Emmy de melhor drama é uma ficção, não uma realidade.

Cedendo um pouquinho à pressão externa, a gigante do streaming fez um ajuste na descrição do trailer da quinta temporada de The Crown, dando ali um anúncio que nunca tinha aparecido antes. Diz a sinopse do vídeo: “Inspirada em eventos reais, esta dramatização fictícia retrata a história da rainha Elizabeth 2ª e os eventos políticos e pessoais que moldaram seu reinado.”

Em nota divulgada pelo site Variety, a porta-voz da Netflix foi precisa ao repercutir a celeuma. “A série The Crown sempre foi apresentada como um drama baseado em eventos históricos. A quinta temporada é uma dramatização ficcional, imaginando o que poderia ter acontecido a portas fechadas durante uma década significativa para a família real britânica [anos 90], eventos de um período já documentado por jornalistas, biógrafos e historiadores.”

Qualquer atração baseada em fatos reais usa a licença criativa para amarrar histórias paralelas e criar uma narrativa atraente ao público. Uma cena a portas fechadas de conversa entre a rainha Elizabeth 2ª e o marido é pura ficção, trabalho da mente de roteiristas que se dedicam a dar os nós no andamento da trama. Quem esteve ali para dizer como foi o papo, a não ser as duas pessoas presentes?

Naturalmente, é de se entender que essa cena, usada aqui como exemplo, é ficção, algo que todo mundo deveria saber. Mas pelo jeito não é assim. Por isso querem que o óbvio seja destacado.

The Crown somente é um alvo da burrice coletiva que afeta tantas áreas do saber humano, da história à ciência, passando também pelo mundo do entretenimento.

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!