QUEM TE VIU...

Episódio escuro de A Casa do Dragão é mais autêntico do que batalha no breu de GoT

Série filhote pelo menos se esforçou para iluminar os personagens de alguma forma
DIVULGAÇÃO/HBO
Foto original, sem retoques, do episódio escuro de A Casa do Dragão
Foto original, sem retoques, do episódio escuro de A Casa do Dragão

Escuro, o sétimo episódio de A Casa do Dragão gerou comparações com o terceiro capítulo da oitava temporada de Game of Thrones, cujo ápice foi uma batalha épica ocorrida no mais intenso breu imaginável. Há muita diferença entre um caso e outro. O principal é que na trama filhote deu pra ver e entender o que estava acontecendo. Em GoT, ninguém viu absolutamente nada durante muitos minutos. Pode ter sido uma lição aprendida por Miguel Sapochnik, que dirigiu ambos os episódios.

Batizado de Driftmark, o capítulo desta semana de A Casa do Dragão teve boa parte das cenas no escuro, sim. Isso pelo fato de o céu nas cenas externas ter ficado bem nublado, com o sol escondido. A série deixou claro que isso estava rolando antes de entrar na ação sucedida no ambiente turvo.

A produção e pós-produção fez um bom trabalho ao deixar uma luz bem fraca ao fundo, como se fosse o reflexo do dia em um eclipse. Assim, dava para ao menos ver o rosto dos personagens. Quando não, aparecia a silhueta, cujo traços do rosto e corpo permitiam a identificação tranquila de quem estava presente na cena.

O único momento que parecia tenso, que logo se resolveu, foi quando um personagem caminhava por morros e matos. Só deu para saber quem era fulano quando foi mostrada a cabeleireira branca/prata e um detalhe da face: era o Aemond (Leo Ashton).

A parte escura desse episódio de A Casa do Dragão foi tranquila de acompanhar. Como disse a HBO em respostas às reclamações de fãs, aquilo se coloca na conta da “licença criativa” do diretor, que optou por esse tipo de filtro para transmitir ao telespectador o clima daquele momento. E uma coisa aqui e ali foi executada com o objetivo de esclarecer o público dos fatos.

Foto original, sem retoques, do episódio escuro de Game of Thrones
Foto original, sem retoques, do episódio escuro de Game of Thrones

A batalha que ninguém viu

Não há equivalência com o caso de Game of Thrones. Primeiro: antes se criou um grande clima, a expectativa da maior e melhor batalha já produzida para a TV. Na hora do “vamos ver”, não deu para ver nada. Além de escuro, o episódio foi ao ar (na exibição inédita) em baixa definição. 

Sem exagero no discurso: não era possível enxergar coisa alguma. Zero. Durante muitos minutos a tela ficou preta, como se fosse um erro técnico da HBO; muitos acharam que seria. Não havia qualquer chance de definir quem estava brigando com quem, em muitas cenas.

Esse episódio, inscrito no Emmy, foi motivo de piada e de memes hilários. Nos dias seguintes à debacle, os departamentos da HBO de atendimento ao cliente e assessoria de imprensa trabalharam dobrado para explicar o mico. O truque da carta da “licença criativa” não colou. Foi uma experiência frustrante para o público e, como provado agora, será sempre lembrada.

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!