POLÍTICA E AS CORES

Vestido verde de Alicent é o ponto de virada de A Casa do Dragão; entenda

Série entra em um momento decisivo com um gesto (aparentemente) simples
DIVULGAÇÃO/HBO
Emily Carey em A Casa do Dragão; vestido da discórdia
Emily Carey em A Casa do Dragão; vestido da discórdia

Tudo é política em A Casa do Dragão, até as cores (assim como na vida). No quinto episódio da primeira temporada, lançado no último domingo (18), a série da HBO apresentou o maior ponto de virada da trama com um detalhe aparentemente simples. Alicent (Emily Carey) usou um vestido verde no casamento da enteada, Rhaenyra (Milly Alcock). A escolha dessa cor, tal qual observamos no mundo político real, tem um peso partidário.

[Atenção: spoilers a seguir da série e do livro]
O drama A Casa do Dragão é baseado no livro Fogo & Sangue, escrito por George R.R. Martin. O clímax de ambos é a guerra civil batizada de Dança dos Dragões. A série acabou de dar um passo decisivo na direção desse conflito que, como quase tudo no universo da franquia Game of Thrones, gira em torno de quem vai sentar no Trono de Ferro.

A Casa do Dragão fez uma mudança considerável em comparação ao livro. A atração televisiva aproximou as idades de Alicent e Rhaenyra (na obra, Alicent é dez anos mais velha). Isso torna a relação entre elas mais palpável e de fácil interpretação. Elas eram melhores amigas até Alicent se casar com o rei Viserys I (Paddy Considine), pai de Rhaenyra, e virar madrasta.

De acordo com promessa feita publicamente, Viserys I tem a intenção de deixar a filha como herdeira de Westeros, juramento feito antes de ele ter filhos com Alicent. O nascimento do primogênito Aegon criou um problema. A tradição dos Sete Reinos é que o primeiro filho homem do rei seja o herdeiro do Trono de Ferro. Daí, vem o choque sobre o sucessor de Viserys I.

O vestido verde de Alicent: escolha de lado

Ex-Mão do Rei, o pai de Alicent, Otto Hightower (Rhys Ifans), alertou a filha sobre o perigo de não defender a todo custo a causa de Aegon pelo trono, ainda mais se for para apoiar a ex-amiga. Como disse o conselheiro, Westeros não aceitaria uma mulher comandante, uma guerra seria deflagrada e Alicent, junto com Aegon, estaria na mira de Rhaenyra de qualquer jeito.

Nos festejos da união de Rhaenyra com Laenor Valeryon (John MacMillan), a rainha estava ausente. Segundo o rei, estaria se arrumando. Em pleno discurso de Viserys I, ele foi interrompido pela mulher, que adentrou o salão atraindo o olhar de todos os convidados, observando ela andar pelo corredor. Alicent usava um vestido todo verde.

A cor verde representa a Casa Hightower, localizada na cidade portuária Oldtown. Entre outras coisas, a cor é usada quando os líderes da família convocam soldados para guerra. Alicent passa uma mensagem clara de que lado ela está no, por enquanto, conflito meramente político: ela irá defender a luta do filho Aegon pelo trono.

No livro Fogo & Sangue, a guerra Dança dos Dragões tem ambos os lados definidos pelas cores. Os Verdes é o grupo que apoia Aegon e defende as tradições de Westeros, de sempre ter um homem no comando, no posto de rei. Os Pretos (simbolizando a Casa Targaryen, cujo brasão é preto e vermelho) estão do lado de Rhaenyra, apoiando uma mulher para ser a herdeira, cumprindo assim a promessa de Viserys I.

O título do quinto episódio, Iluminamos o Caminho, é o lema da Casa Hightower. Com o pai distante, a rainha Alicent tomou uma decisão para a família com um simples gesto carregado de poder. O vestido verde dela inicia a divisão que irá movimentar A Casa do Dragão daqui em diante.

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!