RETROSPECTIVA

As dez piores séries de 2022

Muitas atrações decepcionaram neste ano; confira
DIVULGAÇÃO/NETFLIX/STAR+
Melissa Fumero em Blockbuster; José Rubens Chachá em O Rei da TV
Melissa Fumero em Blockbuster; José Rubens Chachá em O Rei da TV

A lista das piores séries de 2022 tem mais do que atrações ruins. Muitas simplesmente decepcionaram de maneira trágica, entregando bem abaixo do mínimo esperado. Estão nessa caixinha American Crime Story: Impeachment, Blockbuster, The First Lady e a sofrível O Rei da TV, série sobre o Silvio Santos.

Dramas com grande potencial, como Suspicion, floparam; eis um dos raros erros do streaming Apple TV+. O ano teve ainda trama cuja qualidade caiu de forma vertiginosa de uma temporada para outra (Um de Nós Está Mentindo) e aquela atração que, além de fraca, pecou pelo mau gosto (Só Se For Por Amor).

O Diário de Séries lista abaixo as dez piores séries de 2022. Confira:

Sarah Paulson em ACS: Impeachment
Sarah Paulson em ACS: Impeachment

American Crime Story: Impeachment (Star+)

A terceira temporada de American Crime Story lidou com uma responsabilidade imensa, afinal estava em jogo o prestígio de uma das grifes mais elogiadas e premiadas da TV nos últimos tempos. O tema era apetitoso, os bastidores do quase impeachment de Bill Clinton, ex-presidente dos Estados Unidos envolvido em um escândalo sexual. Contudo, a leva de episódios foi muito aquém das anteriores, com narrativa pouco envolvente e elenco apenas cumprindo tabela, mesmo contando com três atrizes vencedoras do Emmy e uma do Oscar.

Melissa Fumero em Blockbuster
Melissa Fumero em Blockbuster

Blockbuster (Netflix)

Essa foi outra série que no papel prometia bastante: a Netflix tirando onda da Blockbuster, antiga rival no ramo de aluguel de DVDs. A dupla de protagonista intrigava, formada por Melissa Fumero (Brooklyn Nine-Nine) e Randall Park (Fresh Off the Boat). No final das contas, a comédia flopou por apresentar uma história essencialmente péssima, com elenco de apoio tenebroso. E o fundamental: nunca chegou a ser engraçada

Michelle Monaghan em Echoes
Michelle Monaghan em Echoes

Echoes (Netflix)

Entre agosto e setembro, a Netflix passou por uma inhaca das galáxias, lançado bomba atrás de bomba (no mau sentido). Dessa seara brotou Echoes, que fisgou o telespectador por causa da proposta que valia a investida, sobre gêmeas idênticas no centro de uma confusão sem fim. Acontece que a trama engatou tantas reviravoltas, uma mais absurda do que a outra, que acabou perdendo a graça logo após os primeiros episódios. É um claro exemplo de série que, com pequenos ajustes na narrativa, seria bem melhor.

Cristin Milioti em Made for Love
Cristin Milioti em Made for Love

Made for Love (HBO Max)

A série Made for Love só chegou até a segunda temporada por ser uma das primeiras séries originais feitas pela HBO Max, o streaming da Warner Bros. Discovery. Talvez esse seja o único argumento que justifique a produção, ruim que faz doer as vistas. A comédia sem graça alguma não resistiu à onda de cortes da gestão de David Zaslav, facão com o objetivo de se livrar ligeiro de atrações flopadas, como Made for Love.

Mariano Mattos em O Rei da TV
Mariano Mattos em O Rei da TV

O Rei da TV (Star+)

Cercada de polêmicas, O Rei da TV briga forte pelo título de série mais decepcionante de 2022. Antes da estreia, a expectativa estava nas alturas, pois estaria sendo contada ali a história de vida de Silvio Santos, lenda vida da TV brasileira e pessoa presente no imaginário dos brasileiros. Então, a série foi lançada e se viu o desastre. Só a direção de arte e a liberdade criativa (de contar histórias não oficiais) escaparam da vergonha. O principal item da série, o Silvio Santos, foi mal representado e caracterizado.

Lucy Alves e Filipe Bragança em Só Se For Por Amor
Lucy Alves e Filipe Bragança em Só Se For Por Amor

Só Se For Por Amor (Netflix)

A série brasileira Só Se For Por Amor, da Netflix, tropeçou por causa de dois fatores, um fora da alçada e outro que deveria ter sido corrigido. O drama entrou na guerra dos streamings comendo a poeira de Rensga Hits!, série nacional do Globoplay que estreou pouco mais de um mês antes apresentando temática parecida: a rotina no mundo da música sertaneja em Goiás. E a atração da Netflix cometeu o erro crasso de não mudar um arco narrativo, sobre uma tragédia que abalou a música sertaneja no Brasil, história muito parecida com a de Marília Mendonça. Sobrou tempo para fazer esse ajuste; e faltou sensibilidade. Rensga Hits! foi renovada e Só Se For Por Amor, cancelada.

Uma Thurman em Suspicion
Uma Thurman em Suspicion

Suspicion (Apple TV+)

O Apple TV+ é sinônimo de séries de altíssima qualidade. Justamente por isso causou espanto o lançamento de Suspicion, drama de espionagem travado, sem dinâmica, que não fez jus ao catálogo do streaming. Nomes do tipo de Kunal Nayyar (The Big Bang Theory), Uma Thurman (Super Pumped) e Noah Emmerich (The Americans) embarcaram em uma tremenda enrascada.

Viola Davis em The First Lady
Viola Davis em The First Lady

The First Lady (Paramount+)

Cancelada após uma única temporada, The First Lady era um projeto ambicioso. A ideia era narrar a vida de ex-primeiras-damas americanas. O começo foi impor respeito, com um trio de atrizes renomado no elenco protagonista: Viola Davis, Michelle Pfeiffer e Gillian Anderson. A montagem dos episódios foi o Calcanhar de Aquiles. As três histórias se misturaram muito, oscilando a qualidade da trama. E é um dos maiores tropeços da carreira de Viola, interpretando Michelle Obama.

Kaley Cuoco em The Flight Attendant
Kaley Cuoco em The Flight Attendant

The Flight Attendant (HBO Max)

Aqui ocorre algo curioso. A comédia da HBO Max é irritante, insuportável até. A trama tem atrativos em tese, mas falha na execução, com Kaley Cuoco (The Big Bang Theory) na pele da pior espiã de todos os tempos. A única (única mesmo) coisa que se salva em The Flight Attendant é a atuação de Kaley, tirando de letra a oportunidade de se livrar um pouco da icônica Penny. Somando as quatro principais premiações para uma atriz de série (Globo de Ouro, Critics Choice, SAG e Emmy), Kaley acumula seis indicações pelas duas temporadas da comédia.

Annalisa Cochrane em Um de Nós Está Mentindo
Annalisa Cochrane em Um de Nós Está Mentindo

Um de Nós Está Mentindo (Netflix)

A definição da expressão “foi do céu ao inferno” é perfeita para Um de Nós Está Mentindo. No ano passado, com a primeira temporada, o drama teen intrigante, naquela base do quem matou?, foi um dos hits da Netflix. Já na segunda leva… A série perdeu todo o gás e ficou apática, sem qualquer elemento surpresa, deixando o telespectador cansado por causa da narrativa ridícula, no sentido literal da palavra.


Acompanhe o Diário de Séries no Google Notícias.

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!