BASTIDORES

Os números por trás de Daisy Jones & The Six, série ambiciosa do Prime Video

Aguardado drama musical é inspirado em livro homônimo famoso
IMAGENS: DIVULGAÇÃO/PRIME VIDEO
Riley Keough em Daisy Jones & The Six
Riley Keough em Daisy Jones & The Six

O Prime Video lança, na sexta-feira (3), uma das séries mais ambiciosas de sua história. Baseada em livro homônimo, Daisy Jones & The Six ganhou tratamento mais do que especial, tudo para concretizar um projeto que nasceu grande e precisava de todo cuidado com os mínimos detalhes. Não se trata de um investimento financeiro astronômico como Os Anéis de Poder, mas é um atração tão grande quanto.

Daisy Jones & The Six tem a atriz Riley Keough (The Girlfriend Experience, A Lista Terminal), neta de Elvis Presley, como protagonista. A narrativa aborda a trajetória da banda ficcional que dá nome à minissérie. 

Há meio século, o grupo dominava as paradas de sucesso, fazia shows para plateias lotadas e conquistava milhões de fãs. O grupo era a voz de uma geração. E a líder Daisy (Riley) servia de inspiração da juventude. Mas em 12 de julho de 1979, eles se separaram. E ninguém nunca soube por quê. Até agora. 

O Diário de Séries separou alguns números que ajudam a entender o peso de Daisy Jones & The Six. 

1 milhão (+30)
O livro escrito por Taylor Jenkins Reid, que no Brasil ganhou o subtítulo Uma História de Amor e Música (editora Paralela), vendeu mais de um milhão de cópias em todo o mundo, somando produto físico e eletrônico. A obra foi traduzida em 30 idiomas. 

2
Em fevereiro de 2018, a executiva Jennifer Salke trocou a cobiçada rede NBC, emissora líder de audiência nos Estados Unidos, para ser a chefona da então novinha produtora Amazon Studios. Daisy Jones & The Six foi um dos primeiros projetos que ela avaliou e aprovou, por ser exatamente o que planejava para o Prime Video e à empresa Amazon como um todo. 

Em maio daquele ano, Salke recebeu o roteiro de uma série baseada em um livro que nem tinha sido publicado ainda. Ela leu, viu que era algo especial e não titubeou. Bastaram dois dias, um final de semana, para a executiva se comprometer com o projeto e aprová-lo.

Salke viu em Daisy Jones & The Six, lá nos primórdios, algo que já pode ser percebido agora. Ela queria atacar em todas as frentes possíveis da Amazon: série, música, livro e mercadoria. E a Daisy Jones se encaixa nisso. Com a aproximação da estreia da atração televisiva, o livro voltou à lista dos mais vendidos; e vem aí um disco original com a trilha sonora do drama.

4
Jennifer Salke não queria apenas fazer uma série qualquer com Daisy Jones & The Six. Por isso, a pressa sequer foi mencionada durante a produção. O livro foi publicado em abril de 2019. O anúncio oficial da série veio três meses depois. A partir dali, foram nada menos de quatro anos entre o sinal verde e a estreia, um período de trabalho bem acima do normal. A ordem era simples: fazer tudo com capricho até que a minissérie ficasse pronta como se imaginou no início do projeto, sem pegar atalhos.

18
Daisy Jones & The Six não foi imune à pandemia de Covid-19. A produção iria começar em abril de 2020, mas por causa das restrições de gravação, o adiamento foi inevitável. Só 18 meses depois que os trabalhos foram retomados. Nesse tempo, contudo, a produção avançou em outros aspectos. 

O principal foi que os atores passaram esses meses todos aprendendo a tocar instrumentos musicais (além de cantar). Nenhum integrante do elenco tinha experiência prévia com música. E, na série, não há dublagem nem aquela performance fake de programas de auditórios: as músicas são tocadas de verdade pelos atores.

Cena da minissérie Daisy Jones & The Six
Cena da minissérie Daisy Jones & The Six

1.500
O clima dos anos 1970 foi recriado com precisão pela equipe de Daisy Jones & The Six. Um elemento símbolo da década é a vestimenta bem característica, daquela que basta bater o olho para identificar. Somente o elenco principal usou 1.500 roupas diferentes. Tanta variedade foi encontrada pela produção justamente na tal pausa de 18 meses. Uma busca frenética foi feita em sites atrás de peças usadas há meio século.

25
Voltando à parte musical. Pensando na originalidade, o Prime Video contratou uma equipe de músicos tarimbados, e especialistas nas músicas dos anos 1970, para montar uma trilha sonora original. Desse experimento saíram 25 canções. Algumas compõem o álbum chamado de Aurora (com 11 faixas), que será comercializado em vinil e disponibilizado nas plataformas digitais.

Sam Claflin em Daisy Jones & The Six
Sam Claflin em Daisy Jones & The Six

26.500
Na trama, a banda é do tipo que lota estádios, tocando para multidões. Entra em cena a mágica da TV. Um estádio universitário, com capacidade para 26.500 pessoas sentadas, foi transformado digitalmente em um dos maiores estádios dos EUA, com mais do dobro da capacidade, onde ocorreu um show histórico do grupo. 

10
Daisy Jones & The Six tem um esquema de exibição diferente do habitual no Prime Video. A minissérie chega com os três primeiros episódios na data de lançamento. Mais três entram na plataforma da Amazon na semana que vem (dia 10). Depois, mais dois (dia 17). Os dois episódios finais passam a ficar disponíveis em 24 de março. Ou seja, são dez episódios no total.


Acompanhe o Diário de Séries no Google Notícias.

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!