DESTAQUE DO ANO

Crítica: Companheiros de Viagem mescla XVideos gay com aulas de história

Drama mostra romance gay em meio a acontecimentos reais sobre a comunidade LGBTQIA+
DIVULGAÇÃO/SHOWTIME
Matt Bomer em cena de Companheiros de Viagem
Matt Bomer em cena de Companheiros de Viagem

A ótima Companheiros de Viagem termina no sábado (16), no Paramount+, como uma das melhores minisséries do ano. Ela atingiu esse status mesclando cenas quentíssimas de sexo gay com aulas de história, mostrando como a sociedade tratou homossexuais durante quatro décadas, entre os anos de 1950 e 1980. Contudo, essa mistura não convencional causou certo desconforto.

Quem passou a acompanhar a minissérie só por causa da lascívia tipo XVideos ficou entediado com a politicagem e clima de Telecurso 2000. Por outro lado, o telespectador interessado em conhecer mais sobre os aspectos históricos e relevantes tratados pela narrativa facilmente se espantou com o erotismo pornográfico de todo episódio.

Por uma perspectiva mais neutra em relação a esses dois extremos, Companheiros de Viagem é muito bem equilibrada e tem um conjunto da obra de primeira linha, com protagonistas que merecem reconhecimento. Até por isso, a atração do canal americano Showtime é destaque nas listas de indicados das premiações Critics Choice e Globo de Ouro:

Critics Choice: melhor minissérie, ator (Matt Bomer) e ator coadjuvante (Jonathan Bailey).
Globo de Ouro: melhor minissérie e ator (Matt Bomer)

Jonathan Bailey com Matt Bomer no drama Companheiros de Viagem
Jonathan Bailey com Matt Bomer no drama Companheiros de Viagem

Sexo e história em Companheiros de Viagem

Baseada no livro Fellow Travelers, inédito em território tupiniquim, Companheiros de Viagem narra um romance entre dois homens que escondem a própria homossexualidade por diversos fatores. A começar por causa do ambiente no qual circulam, o da política americana durante períodos de repressão e ataques homofóbicos explícitos.

Matt Bomer interpreta o carismático Hawkins Fuller, que mantém uma carreira financeiramente estável e gratificante trabalhando nos bastidores da política dos Estados Unidos. Ele evita se envolver emocionalmente até conhecer Tim Laughlin (Jonathan Bailey), jovem repleto de idealismo e fé religiosa.

Companheiros de Viagem entregou o prometido: mostrou as cenas mais eróticas de sexo gay já exibidas na TV. E não tem um momento parecido com o outro. São situações variadas que vão de pegação às escondidas até transa pesada no quarto. Tem fetiches, suruba, nudez frontal… e até amorzinho light entre dois apaixonados.

Na parte histórica, a minissérie jogou luz sobre um capítulo sombrio do governo americano e do FBI, a polícia federal dos Estados Unidos. Com muitos detalhes, a trama explora a perseguição contra gays e lésbicas, principalmente dentro do governo.

Homossexuais eram tratados como ameaças à segurança nacional por, supostamente, serem simpatizantes comunistas. Por isso a caçada para retirá-los de cargos em qualquer esfera governamental.

A retórica política linkava “vermelhos” e homossexuais como tendo crenças comuns, de rejeitar o cristianismo a se opor aos valores da “família tradicional”. Eram vistos como perturbados psicologicamente e fracos moralmente. Lembrando que essa “caça às bruxas” não era feita às escondidas: tudo era bastante público.

Companheiros de Viagem também insere no enredo a tensão na cidade de São Francisco após o assassinato de Harvey Milk, primeiro homem abertamente gay a ser eleito a um cargo público na Califórnia (anos 1970). A história desse político e ativista ganhou palco no filme Milk: A Voz da Igualdade (2008), com Sean Penn na pele de Milk.

Quando chega nos anos 1980, a minissérie expõe a crise da Aids, que afetou toda a comunidade LGBTQIA+, direta ou indiretamente. Próximo ao ponto-final, a trama aposta na sensibilidade ao retratar um momento tão delicado para homens gays.


Siga o Diário de Séries no WhatsApp

Acompanhe o Diário de Séries no Google Notícias

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!