FANTASIA VS. REALIDADE

Por que Friends aparece tanto no filme O Mundo Depois de Nós, da Netflix?

Sitcom é chave para entender o final do longa líder de audiência
REPRODUÇÃO/NETFLIX
Farrah Mackenzie, com Friends no tablet, no filme O Mundo Depois de Nós
Farrah Mackenzie, com Friends no tablet, no filme O Mundo Depois de Nós

Filme líder de audiência na Netflix, O Mundo Depois de Nós (Leave the World Behind, em inglês) apresenta uma camada curiosa. A série Friends (1994-2004) faz parte do roteiro pela perspectiva da garota Rose (Farrah Mackenzie) e é peça crucial para desatar os nós do final, ajudando o público a entender a moral da trama. O cineasta Sam Esmail (Mr. Robot), diretor e roteirista do longa, explicou o porquê de Friends ter tanto destaque assim.

O Mundo Depois de Nós é baseado no livro homônimo de Rumaan Alam, publicado no Brasil pela editora Intrínseca. O ponto de partida da história ocorre quando dois desconhecidos aparecem à noite buscando refúgio de um ataque cibernético assustador, acabando com as férias de uma família, obrigando todos a encontrarem um lugar neste cenário em colapso. No livro, Friends chega a ser citado, mas Esmail decidiu ampliar as referências no filme.

“É uma série muito icônica, em todo o mundo. E ela passa de geração em geração”, contou o cineasta, em entrevista ao site Vulture, dando sua justificativa sobre o uso da comédia no desenvolvimento do filme. Ele cita uma frase da personagem Ruth (Myha’la), que comenta com Amanda (Julia Roberts), mãe de Rose, sobre a superficialidade de Friends.

“Ruth diz que Friends provoca uma nostalgia de uma época que nunca existiu”, contextualizou. “Penso nisso pelo fato de a sitcom refletir as coisas com suavidade, em lentes cor de rosa. E às vezes precisamos disso, mesmo que não seja necessariamente verídico.”

Esmail fala sobre o escape que Friends dá ao público quase 30 anos depois de seu lançamento. Captar isso é fundamental para compreender o final do filme. É a investida em algo para se desligar do caos ao redor.

Rose é fã de Friends, do nível de sentir que aquelas figuras são seus amigos. Não à toa, ela se sente mais próxima desses personagens da ficção do que de sua família de carne e osso. “Ela quer se agarrar em algo que lhe pareça puro”, conta Esmail. “Ela não consegue isso com os pais ou com o irmão.”

A família Sandford está na estrada rumo às férias em uma casa alugada pelo Airbnb. No carro, cada integrante está em seu próprio mundinho, não interagindo com o outro. No caso de Rose, o entretenimento dela é ver Friends no tablet; está no episódio de despedida de solteira da Phoebe (Lisa Kudrow). Do nada, o sinal da internet cai e o streaming congela.

Rose sente-se atraída pelo mundo de Friends que, notoriamente, nunca foi de tocar em assuntos reais (como o fato de não inserir na trama o 11 de Setembro, ataque ocorrido em 2001, bem no auge da série). A Nova York da comédia é quase de mentira com um monte de gente branca morando em apartamentos impossíveis de serem bancados por aqueles personagens, caso existissem de verdade.

A menina de 13 anos gosta tanto de Friends que incomoda até quem está próximo. Seu irmão, Archie (Charlie Evans), a questiona sobre porque se importa tanto com aqueles personagens. “Eles me dão alegria”, rebate Rose. “E é disso que eu preciso agora.”

O Mundo Depois de Nós trata dessa percepção do que é real ou não via Friends, deixando algumas coisas em aberto para o próprio espectador interpretar. 

Aquele diálogo entre Ruth e Amanda merece ser examinado. Ruth conversa com Amanda sobre Rose assistir Friends. “Assistir é pouco, ela venera”, reforça a mãe. Ruth, que é preta, faz a crítica sobre a série encenar algo que nunca existiu. Pelo seu ponto de vista, isso é verdade, pois na Nova York de Friends pessoas pretas praticamente não existiram, algo que os próprios criadores admitem que poderiam ter feito melhor e corrigido isso.

A brisa é que Amanda reage, sem dizer uma palavra, contra essa visão da jovem Ruth, mudando de assunto. É como se uma pessoa que não viveu os anos 1990 não pudesse falar de algo sobre a época. Detalhe: Amanda é interpretada por Julia Roberts, uma das celebridades que atuou em Friends (ela chegou a namorar Matthew Perry, o Chandler). Então, para Amanda, Friends pode ter um quê de realidade.

Por mais que aquela Nova York de Friends seja mais inclinada à fantasia do que à realidade, algumas coisas mostradas na comédia são fidedignas. A questão sobre retratar um mundo “que nunca existiu” pode ser a razão de ter tanto apelo, por justamente ser esse escape da realidade, algo que Rose e tantos outros buscam. O entendimento do final do filme passa por isso.


Siga o Diário de Séries no WhatsApp

Acompanhe o Diário de Séries no Google Notícias

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!