MAGO DA COMÉDIA

Em 32 anos, Chuck Lorre só teve 2 séries canceladas após uma única temporada

Com poucos tropeços, showrunner está desde 1992 emplacando atrações bem-sucedidas
DIVULGAÇÃO/NETFLIX
Chuck Lorre nos bastidores de Disjointed
Chuck Lorre nos bastidores de Disjointed

O mago da comédia da TV americana, Chuck Lorre emplacou mais uma série que passou da primeira temporada: Bookie, renovada pela HBO Max na semana passada. Assim, em toda sua carreira de criador ou showrunner, iniciada em 1992, ele só teve duas atrações que foram canceladas após uma única temporada, um feito e tanto. Nesse período, Lorre criou ou foi o showrunner de 12 comédias.

O primeiro cancelamento de Chuck Lorre foi justamente a sua primeira criação, há 32 anos. Ele começou a trabalhar na TV, como roteirista e produtor, em 1984. Depois de muito suor e ralação, veio a oportunidade de lançar uma criação própria, a comédia intitulada de Frannie’s Turn (1992), na rede CBS. A série não completou nem um mês no ar, cancelada depois de seis episódios.

O outro cancelamento na conta do showrunner veio 26 anos depois, na Netflix. Ele foi o cocriador de Disjointed, protagonizada por Kathy Bates, série sobre uma defensora ferrenha da legalização da maconha realizou o sonho de abrir uma loja que vendia a erva, em Los Angeles. O fim abrupto foi decretado em 2018, após uma única temporada de 20 episódios.

Todas as outras dez séries com a criação de Chuck Lorre, ou com ele no posto de showrunner, foram além da primeira leva de episódios. Nesse bolo tem de tudo, incluindo atrações premiadas e de enorme sucesso internacional.

Ele foi o criador solo de Grace Under Fire, série exibida pela rede ABC após o fracasso de Frannie’s Turn. Logo na temporada de estreia, a comédia foi o quinto programa mais visto da temporada 1993-1994, nos Estados Unidos. No total, foram cinco temporadas, passando da marca dos cem episódios (112).

Em 1995, entrou no ar Cybill, a volta de Lorre à CBS. Essa foi a primeira série do roteirista e produtor a desfrutar de prestígio no circuito de premiações, incluindo 12 indicações ao Emmy (três vitórias). Em 1996, derrotou sitcoms como Friends e Seinfeld na disputa pelo troféu de melhor comédia no Globo de Ouro. As estrelas da atração eram Cybill Shepherd e Christine Baranski.

Nos anos 2000 surgiram os seus dois maiores hits: Two and a Half Men e The Big Bang Theory. Ambas as sitcoms entraram na cultura pop e até hoje são influentes, fazendo muito sucesso no mundo dos streamings.

Já na década seguinte, Lorre seguiu a multidão e passou a fazer séries exclusivamente para as plataformas sob demanda. Superando o baque de Disjointed, em 2018 ele lançou The Kominsky Method (Netflix), cujos protagonistas eram ninguém menos do que Michael Douglas e Alan Arkin. Essa foi outra série dele muito bem recepcionada na academia: foram 12 indicações ao Emmy. Em 2019, veio o prêmio de melhor comédia no Globo de Ouro.

A recém-lançada Bookie, na HBO Max, foi um sucesso instantâneo, explorando o tão propagado mercado (ilegal) das apostas esportivas. A comédia foi renovada pelo streaming da Warner dias após o lançamento do episódio final da primeira leva.

Veja a lista de todas as séries que foram criadas por Chuck Lorre (ou tiveram ele como showrunner):

  • Frannie’s Turn (1992): uma temporada;
  • Grace Under Fire (1993–1998): cinco;
  • Cybill (1995–1998): quatro
  • Dharma & Greg (1997–2002): cinco;
  • Two and a Half Men (2003–2015): 12;
  • The Big Bang Theory (2007–2019): 12;
  • Mom (2013–2021): oito;
  • Disjointed (2017–2018): uma;
  • Young Sheldon (2017–presente): sete;
  • The Kominsky Method (2018–2021): três;
  • Bob Hearts Abishola (2019–2024): quatro;
  • Bookie (2023-presente): duas.


Siga o Diário de Séries no WhatsApp

Acompanhe o Diário de Séries no Google Notícias

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!