TRANSPONDO BARREIRAS

Christina Applegate supera doença rara e termina Disque Amiga Para Matar

A atriz vencedora de Emmy volta aos holofotes com a 3ª temporada da comédia da Netflix
DIVULGAÇÃO/NETFLIX
Christina Applegate na 3ª temporada de Disque Amiga Para Matar
Christina Applegate na 3ª temporada de Disque Amiga Para Matar

Vencedora de Emmy, Christina Applegate encara uma fase dolorosa da vida. Durante os trabalhos da terceira e última temporada de Disque Amiga Para Matar, que estreia na Netflix na quinta-feira (17), ela foi diagnosticada com esclerose múltipla, doença rara e sem cura que compromete a função do sistema nervoso. Mesmo assim, após uma pausa de cinco meses nas gravações, ela retornou ao set e finalizou a comédia como previamente havia sido planejado. Contudo, diversas adversidades precisaram ser superadas.

Christina Applegate confidenciava a pessoas próximas, nos últimos anos, que sentia formigamento e dormência pelo corpo. Isso, contudo, se agravou. Em meados do ano passado, ela recebeu a notícia de que tinha esclerose múltipla, lesões nos nervos que causam distúrbios na comunicação entre o cérebro e o corpo. Formigamento e dormência são alguns dos sintomas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a esclerose múltipla como uma doença rara. No Brasil, a estimativa é que hajam 15 casos a cada 100 mil habitantes. Jovens entre 20 e 40 anos são quem mais sofrem com a doença autoimune, que é predominante entre as mulheres; Christina Applegate tem 50 anos.

Nos bastidores de Disque Amiga Para Matar, houve conversas sobre terminar a série com o que havia sido gravado até então e encerrar a produção. Mas a atriz queria terminar o que começou e insistiu, por mais que estivesse em tratamento médico. A retomada foi feita sem mudar nada no roteiro. As alterações feitas foram na direção e modo de gravação.

Houve um cuidado extra com Christina Applegate. Ela demonstrava bastante fraqueza, sem conseguir andar direito ou até mesmo ficar em pé. Sofria com vertigens e dificuldades na visão. A atriz descobriu, junto com os produtores, as limitações do próprio corpo, do que podia ou não fazer. E tudo foi se adaptando.

Uma cadeira de rodas ajudava na locomoção nos sets. Christina tinha tanta dificuldade de ficar em pé por um longo período que um assistente da produção segurava as pernas dela enquanto cenas eram gravadas. 

Momentos com a personagem dela, a corretora de imóveis Jen Harding, andando foram reduzidos ao máximo. Sempre que possível, Christina aparecia em cena perto de algo para se apoiar, como uma porta. Veterana em Hollywood, atuando desde criança, a atriz disse que esse foi o trabalho mais difícil de toda a carreira.

Tanto esforço e dedicação aumentam a expectativa sobre o que vem por aí em Disque Amiga Para Matar, ótima série sobre uma amizade improvável entre duas mulheres (Linda Cardellini é a outra protagonista). Christina, que tem uma estatueta de Emmy por Friends como atriz convidada (2003), foi indicada ao Oscar da TV pelas duas primeiras temporadas da comédia da Netflix. Será que vem mais uma terceira indicação por aí?

Na última segunda-feira (14), ela apareceu em público pela primeira vez desde o diagnóstico de esclerose múltipla. Com mais peso e usando uma bengala, a atriz marcou presença em cerimônia na Calçada da Fama, em Hollywood, ganhando uma estrela e ficando eternizada nesse ponto turístico famoso.

Siga nas redes

Fale conosco

Compartilhe sugestões de pauta, faça críticas e elogios, aponte erros… Enfim, sinta-se à vontade e fale diretamente com a redação do Diário de Séries. Mande um e-mail para:
contato@diariodeseries.com.br
magnifiercross
error: Conteúdo protegido!